Desenvolvimento do bebê

O que seria um comportamento motor?

O que seria um comportamento motor?

É incrível o quanto um bebê cresce desde sua concepção até os 2 anos. Ainda na barriga da mãe, ele pode crescer até 10 cm em uma semana e dobrar de peso várias vezes. Depois de nascer, o ritmo de crescimento continua frenético até mais ou menos 2 anos de idade, quando dizemos que o “bebê” agora é uma criança.

E então, chegamos a primeira infância. Dos 2 aos 6 anos. Quanto um bebê muda do seu nascimento até os dois anos… é incrível. Se locomovem, se expressam através de gracinhas, choros, birras, risos, palavras, e as vezes até frases inteiras.

O que esperar do desenvolvimento motor saudável de uma criança de aproximadamente 2 anos?

Ah, antes que eu fale O QUE ESPERAR, isso não é para padrão de COMPARAÇÃO e sim para ATENÇÃO.

Que mania essa nossa de mãe de comparar e até mesmo ouvir e dar atenção a comparações de outras pessoas. Nenhuma criança é igual a outra. Até mesmo os gêmeos idênticos têm suas diferenças. Comparação nos adoece, cria em nós a inveja, baixa nossa autoestima, faz com que sintamos vontade de experimentar o que o outro vive e nos CEGA para as alegrias de dentro da nossa casa.

Como ter segurança e manter nossa opinião sem deixar passar um atraso importante e ao mesmo tempo dar limites às opiniões tóxicas?

  1. Conhecimento da fase vivida por mim, pelo meu filho e pela minha família.
  2. Segurança em quem eu sou e que o melhor quem vive sou eu.
  3. Ninguém nunca vai saber o que eu vivo.

Então, o que esperar para essa fase do desenvolvimento motor?

  1. Crescimento físico – acompanhe sempre com o pediatra, o peso e a altura do seu super bebê.
  2. A criança precisa mudar o padrão de marcha do “bloquinho “ para um padrão mais parecido com do adulto (dobrar os quadris, joelhos e os tornozelos enquanto anda). Fique atento a isso.
  3. Espaço para brincar e explorar. Essa é a fase de maior aquisição das habilidades motoras finas e grossas.
  4. Observe sempre os olhos. Se a criança fixa o olhar, se segue objetos e ações, se os olhos seguem as ações da mão.
  5. Se a criança corre, pula tanto de degraus bem pequenos, quanto a partir da própria altura.
  6. Se é capaz de brincar sozinha e fantasiar brincando.
  7. Se é capaz de incluir outros na brincadeira.
  8. Se usa a fala para a comunicação.
  9. Se leva a própria comida a boca.

10.Se tenta escalar, ou escala objetos e cadeiras pela casa.

11.Se ela pede ajuda para tudo ou se é mais independente.

  1. Se quer ter o mínimo de autonomia… Autonomia? Como assim? Ele é só um bebê…

 

Maria Montessori, uma médica e educadora italiana que viveu entre o século 19 e início do século 20 disse: “Nunca ajude uma criança numa tarefa em que ela se sente capaz de fazer…”

Como mãe, digo que algumas vezes dei comida na boca do meu filho porque não queria que ele sujasse a roupa ou a mesa, o chão… e outras tantas vezes fui criticada porque ele demorava “séculos” para amarrar o tênis e eu ficava calmamente esperando…

A real, do ponto de vista motor, é que privar a criança da própria experiência causa atrasos irreversíveis. Pense nisso: Quanto mais a instrução é clara e encorajamento ela tiver, melhor ela vai aprender.

E mais: deixe seu bebê crescer. Curta todas as fases. Não se prenda a uma anterior. Veja a beleza e as alegrias de cada uma delas.

Todo aprendizado motor dessa fase definirá muito do seu desenvolvimento para a vida.

Fisioterapeuta de crianças e adolescentes. Membro da equipe multidisciplinar de dor pediátrica da Unifesp EPM - SP.

Deixe seu comentário