Desenvolvimento do bebê

A importância do brincar no olhar da Terapia Ocupacional

O desenvolvimento humano foi e ainda é estudado por diferentes autores. Quando pensamos em desenvolvimento infantil, a terapia ocupacional, insere nesse tema o “brincar” como uma atividade natural e que deve ser introduzida no dia-a-dia das crianças independente da idade ou local em que a criança se encontra (hospital, escola, ambiente sociais e assim por diante) com as mudanças dos séculos e por questões sociais e de crenças, muitas crianças apresentam em suas rotinas muitos afazeres e deveres, restando pouco tempo para as brincadeiras.

A Terapia Ocupacional reforça que o “brincar” deve estar presente na rotina da criança e em diferentes contextos, com diferentes personagens, pais, responsáveis e irmãos também devem estar presentes neste momento como crianças da mesma ou diferentes idades. A terapia ocupacional utiliza a brincadeira como forma de desenvolver a criança naquilo que ela apresenta dificuldade ou em aspectos de desenvolvimento que ela apresenta algum atraso, utilizando avaliações que observam critérios específicos do desenvolvimento e a forma com a criança a realiza.

Sendo assim o brincar trás ao desenvolvimento infantil a ludicidade (desenvolver a criatividade, o conhecimento pela brincadeira, interação com outras pessoas e assim por diante), ao prazer, as emoções, ao desenvolvimento da imaginação (faz-de-conta), da auto-estima, do autoconceito positivo, da resiliência (enfrentar seus problemas e dificuldades), desenvolvimento do pensamento, da iniciativa e entre outros comportamentos que são adquiridos na infância e utilizados na fase adulta.

Formada na universidade de Uberaba MG(UNIUBE) em 2008, atuando no desenvolvimento infantil, contribuindo no processo de estimulação e aprimorando as funções dos aspectos físico cognitivo e sensorial. Mãe da Ana Luiza de 8 anos e Alicia de 1 ano e 9 meses.

Deixe seu comentário