Colunas

Será que meu filho precisa de Terapia Ocupacional?

A Terapia Ocupacional Infantil visa promover a prevenção, tratamento e reabilitação de crianças que apresentem quadros de alterações sensoriais, afetivas, cognitivas e psicomotoras.

O objetivo é auxiliar essas crianças no estabelecimento das suas atividades e proporcionar uma maior autonomia no dia-a-dia e em seu próprio desenvolvimento.

Quando uma criança não completa as etapas esperadas do desenvolvimento infantil, ou responde de forma diferente aos estímulos sensoriais do ambiente, a Terapia Ocupacional Infantil pode auxiliar avaliando o motivo pelo qual esta mudança está ocorrendo e planejando estratégias que auxiliem no desenvolvimento dessas habilidades.

Em alguns casos, mesmo com as brincadeiras e estimulações realizadas pelas mamães e papais, a criança pode não responder conforme o esperado, nesse momento, o terapeuta ocupacional infantil tem as estratégias e recursos necessários para avaliar e intervir no desenvolvimento da criança.

O importante é fazer com que ela vivencie todos os estímulos necessários, assim ela terá um desenvolvimento motor, cognitivo e sensorial completos, e será capaz de aprender novas habilidades.

Quais são os sinais de alerta para identificar estas dificuldades?

Algumas crianças apresentam dificuldades em aprender novas habilidades. Outras a interagir socialmente ou realizar suas atividades de higiene e auto-cuidado.

Isso acontece quando os sentidos responsáveis por receber as informações do ambiente não estão processando as informações corretamente.

Por exemplo:

Visão: a luz incomoda ou a criança se interessa muito por luzes e por brinquedos que se movimentam.

Audição: alguns sons incomodam ou a criança busca muito ouvir num volume alto.

Olfato e paladar: a criança rejeita alguns alimentos ou come mais do que o esperado.

Tato: a criança se incomoda em ficar suja, ou com alguma textura de roupa ou no cabelo ou busca passar as mãos nas coisas.

Vestibular: a criança não gosta de colo ou de brinquedos de parquinho ou fica correndo e balançando.

Propriocepção: a criança parece desajeitada ao se movimentar, ou cai muito, ou pula e corre muito.

Alguns desses exemplos, configuram como uma disfunção de Integração Sensorial, que é quando o corpo tem dificuldade de processar e integrar todos os sentidos. Mas não se preocupem, a Terapia Ocupacional também pode ajudar a melhorar essas alterações.

 

Formada na universidade de Uberaba MG(UNIUBE) em 2008, atuando no desenvolvimento infantil, contribuindo no processo de estimulação e aprimorando as funções dos aspectos físico cognitivo e sensorial. Mãe da Ana Luiza de 8 anos e Alicia de 1 ano e 9 meses.

Deixe seu comentário