Desabafos de mãe

Expor crianças nas redes sociais: Analisando o meme das irmãs brigando durante o parabéns!

Vcs viram o meme das irmãs cantando parabéns? Viralizou nas redes. Vi a entrevista com a madrinha que postou. Ela contou que foi sem intenção e não imaginou a proporção que tomaria. É sempre assim que acontece. Quero aproveitar o ocorrido para levantar um assunto que já falei aqui, mas acho importante refletirmos.

Até que ponto devemos expor nossas crianças nas redes sociais?

Essa é uma discussão constante em casa. Meu marido, vcs sabem, é bem fechado pra isso. E por ele, não colocaríamos nada da nossa filha. Já eu gosto de postar, porém tenho vários critérios. Então, como pais, chegamos a um meio termo.

Não estou dizendo que O NOSSO jeito é o certo. Estou apenas propondo que os pais reflitam sobre o assunto. Pq percebo que a maioria posta sem ao menos pensar nas consequências. E o pior, muitos postam os filhos dos outros sem autorização. Eu sei que muitas vezes é sem maldade. É porque acha bonitinho… mas a questão é nas consequências para a CRIANÇA.

Ao meu ver aí que está o problema.

A criança não escolheu estar na rede. A partir do momento que vc posta algo, esse conteúdo estará lá para SEMPRE. Isso é muito tempo. Mesmo que vc apague, se alguém copiou, não tem volta. Há casos, como do Nissim Oufarli, que foram ANOS de sofrimento e bulling até que a justiça determinasse que o google retirasse as cópias da net.

A lei tem algo que se chama “direito ao esquecimento”, mas hoje em dia é muito difícil garantir esse direito. E a REDE pode ser muito cruel. Ainda mais na infância ou na adolescência. Já pensou, algo que era bonitinho, engraçadinho… quando chega na adolescência, é descoberto pelos colegas de classe e começa a assombrar o adolescente que já tem complexos suficientes… um problemão psicológico pode ser causado.

Às vezes, no embalo do momento, me esqueço e me empolgo sim, quero postar porque acho minha filha fofinha, engraçada, linda…Mas tenho que lembrar constantemente que o mundo é mal. Que nem sempre os outros olham da mesma forma que a família olha. Ou que mesmo sem intenção, um post pode virar uma coisa imaginável.

Jornalista, pedagoga, mãe e muito mais. Repórter na TV MS RECORD, Revista Celebrar e FM CIDADE 101. Mas o foco desse perfil é falar de MATERNIDADE.

Deixe seu comentário